PriscilaMonteiro
Piscóloga CRP: 05/40740
Psicologia - Qualidade de vida
 
   
 

PSICOTERAPIAS

FOBIA

“Enfrentar o medo é ter a certeza de que ele jamais se tornará algo maior do que você.” Silva, Ana B.B

 

É caracterizado por um medo irracional e persistente ao se encontrar na presença ou ao imaginar-se na mesma do objeto ou situação fóbica. A exposição ao objeto fóbico deixa a pessoa ansiosa e com medo, acarretando uma crise que pode se assemelhar a um ataque de pânico. 
A pessoa passa a ter um comportamento de esquiva para evitar o contato com o estimulo fóbico podendo prejudicar sua privada e profissional. Algumas das fobias mais conhecidas são: Fobia de animais como cachorro, gato, aranhas; também Fobia de sangue, injeção e a Fobia social, entre outras
.

 

 
 FOBIA SOCIAL

Pessoa que sofre de forte ansiedade ao se imaginar ou se deparar em situações sociais, ficando com medo da avaliação dos outros, com receio do seu desempenho for avaliado de forma negativa, de se embaraçar ou humilhar. Geralmente apresentando sintomas fisiológicos como sudorese, tremores, tonteiras, diarréia, dificuldade para falar, mal estar abdominal e outros. A Fobia Social pode ser Generalizada, que significa medo da maior parte das situações de interação social, ou Fobia Circunscrita, sendo mais restrita, como por exemplo, de comer em público.

Faz parte da natureza humana ficarmos ansiosos e acanhados em certas situações sociais, até funcionando como mecanismo de defesa, aumentando nosso grau de percepção e nos auxiliando a moldar de forma mais adequada nosso desempenho social ao nos atentarmos às reações dos outros,  porém não se deve confundir timidez com Fobia Social. Torna-se patológico ao se transformar em um transtorno na vida da pessoa devido aos processos de evitação de contato social, além de forte ansiedade e desconforto e de sintomas fisiológicos quando na expectativa e/ou na própria situação de interação social.

Um dos tratamentos indicados é a psicoterapia cognitivo comportamental que apresenta bons resultados com ou sem o uso de medicamentos farmacológico, a partir de uma avaliação médica.
 

TRANSTORNO DE ANSIEDADE GENERALIZADA – TAG

É caracterizada por uma ansiedade e preocupação excessiva e desproporcional apresentando dificuldade para controlar. Para receber o diagnóstico de transtorno de Ansiedade Generalizado deve ocorrer na maior parte dos dias num período de pelo menos 6 meses, além de ser descartado anteriormente o diagnóstico de outros transtornos ansiosos, como fobia social e Transtorno do pânico, entre outros, além de verificar se não se trata de um nível considerado “normal” de ansiedade.

Apresentando pelo menos 3 dos sintomas descritos no DSM IV que se encontram abaixo, sendo necessário apenas 1 para crianças:

1 _ inquietação ou sensação de estar com os nervos à flor da pele
2 _ fatigabilidade
3 _ dificuldade em concentrar-se ou sensações de "branco" na mente
4 _ irritabilidade
5 _ tensão muscular
6 _ perturbação do sono (dificuldades em conciliar ou manter o sono, ou sono insatisfatório e inquieto)

 

Acarretando muitas vezes sofrimento subjetivo e prejuízo na vida social ou ocupacional do sujeito, podendo também causar sintomas somáticos como: sudorese, náusea, diarréia, boca seca, sensação de nó na garganta, aumento da freqüência urinária, e podendo se assustar com facilidade, podendo também possuir sintomas depressivos.

Um dos tratamentos indicados é a psicoterapia cognitivo comportamental que apresenta bons resultados com ou sem o uso de medicamentos farmacológico, a partir de uma avaliação médica.
 

 

ANOREXIA NERVOSA

As principais características da anorexia nervosa são: recusa em manter o peso corporal no mínimo aceito numa faixa de normalidade; medo constante de engordar; distorção na percepção corpórea; podendo se tornar amenorréias.
Ao buscarem manter o peso abaixo da faixa de normalidade começam fazendo dietas, iniciando geralmente cortando apenas o que consideram calórico para depois evoluir para uma rígida restrição alimentar. Muitas vezes em conjunto com as dietas fazem exercícios físicos excessivos e purgação (isto é, auto-indução de vômito ou uso indevido de laxantes ou diuréticos). E apesar de tudo, não importa o quanto emagreça, o medo de engordar está sempre presente. Mesmo aqueles que percebem que estão magros se preocupam com certas partes do corpo que consideram “estar gordo”. Estão constantemente buscando formas de medir a perda ou ganho de peso.
 
A auto-estima destas pessoas fica atrelada a sua forma corporal. A perda de peso para elas é uma conquista por demonstrar sua disciplina e o ganho é visto como um fracasso do autocontrole. Mesmo aqueles que percebem que estão magros negam os problemas de saúde causados pela desnutrição.

Geralmente é um familiar quem busca ajuda, quando é o próprio indivíduo quem busca  é devido os problemas de saúde relacionados, não percebendo o baixo peso e o transtorno.

Pode ser dividido:

RestritivoA perda de peso é conseguida por restrição alimentar, jejuns, exercícios excessivos. Não sendo habituais episódios de hiperfagia (comer excessivo) ou purgação.

Compulsão Periódica/Purgativo – Quando é habitual episódios de hiperfagia e/ou purgação. A maioria com hiperfagia faz purgações induzindo ao vômito ou utilizando laxantes, diuréticos ou enemas.  Muitos fazem purgação sem ter episódios de hiperfagia.

Muitos acabem por demonstrar sintomas depressivos, além de características obsessivas - compulsivas, podendo ou não estar relacionadas à comida.

Além de evitarem comer em público, apresentando sentimentos de inutilidade, necessidade de controle do próprio ambiente, sendo inflexíveis, pouca ou nenhuma espontaneidade social, assim como pouca iniciativa e expressão emocional.

As restrições e purgações podem causar sérios problemas médicos como o desenvolvimento de anemia, prejuízo da função renal, cardiovasculares, dentários e osteoporose.
 
É importante ressaltar a importância do trabalho multidisciplinar no tratamento tanto da Anorexia Nervosa quanto da Bulimia Nervosa, pois é necessária a união do terapeuta com o nutricionista e o médico atuando todos de forma integrada.
E acima de tudo um trabalho preventivo é o principal, apesar de termos conhecimento que o transtorno ocorre devido questões biológicas, genéticas, psicológicas e socioculturais, devemos conscientizar a população, em especial os adolescentes, que pode haver uma preocupação com o bem estar físico, mas deve ser de forma saudável, não se deixando influenciar pela mídia ou qualquer outro na busca por padrões inalcançáveis que apenas irão lhe prejudicar, aprendendo assim a medir conseqüências.
 

 

BULIMIA NERVOSA

As características da bulimia são: Hiperfagia (comer compulsivo) e desenvolver maneiras de evitar o ganho peso, além disto, a auto-estima está atrelada a  forma e peso corpóreo. Um episódio bulimico é caracterizado por comer num curto período de tempo grandes quantidades de comida. O indivíduo come até um estado de desconforto ou até sentir dores devido ao excesso. Relatam uma incapacidade de conseguir controlar esta compulsão alimentar.

Criam formas inadequadas para compensar e evitar o ganho de peso como, uso de diuréticos, indução ao vômito, uso de laxantes, exercícios físicos excessivos e outros. Para ser classificado como Bulimia Nervosa os métodos para evitar o ganho de peso deve ocorrer pelo menos 2 vezes por semana em um período de 3 meses.

 

Pode ser dividido em:

Purgativo A forma utilizada para compensar a hiperfagia é indução ao vômito, uso de laxantes, diuréticos e enemas.

Não Purgativo Faz exercícios físicos em excesso, jejuns e outros como forma de compensar, mas não se torna habitual a utilização de métodos purgativos.
Aqueles com Bulimia Nervosa diferente dos com anorexia possuem o peso dentro da faixa de normalidade apesar de alguns poderem estar com o peso um pouco abaixo ou acima da mesma, sendo incomum com pessoas com problemas de obesidade.

Os mesmos podem demonstrar sintomas de depressão, transtorno de humor ou ansiedade. Além de outros problemas médicos que podem surgir como perda do esmalte dos dentes devido à indução ao vômito, menstruação irregular ou parar de menstruar (amenorréia), não conseguirem evacuar sem o uso de laxantes tornando-se assim dependentes deles, e outros.                                  .

É importante ressaltar a importância do trabalho multidisciplinar no tratamento tanto da Anorexia Nervosa quanto da Bulimia Nervosa, pois é necessária a união do terapeuta com o nutricionista e o médico atuando todos de forma integrada.
E acima de tudo um trabalho preventivo é o principal, apesar de termos conhecimento que o transtorno ocorre devido questões biológicas, genéticas, psicológicas e socioculturais, devemos conscientizar a população, em especial os adolescentes, que pode haver uma preocupação com o bem estar físico, mas deve ser de forma saudável, não se deixando influenciar pela mídia ou qualquer outro na busca por padrões inalcançáveis que apenas irão lhe prejudicar, aprendendo assim a medir conseqüências.